Insatisfação sexual: quando procurar um psiquiatra?

Você sabia que 51% dos brasileiros não estão satisfeitos com a vida sexual? Pesquisas recentes apontam que 22% das mulheres não alcançam o orgasmo quando praticam sexo, enquanto 62% dos homens apresentam dificuldade para manter a ereção. A sexualidade é muito importante, tanto que tem sua  relevância legitimada pela OMS, Organização Mundial de Saúde (OMS), que afirma que o sexo é um dos pilares da qualidade de vida. Isso significa que a insatisfação nesse âmbito pode impactar negativamente o bem-estar geral dos indivíduos adultos. Vale destacar que os problemas sexuais podem estar relacionados a múltiplos fatores, como por exemplo, alterações hormonais, problemas de autoestima, estresse, ansiedade, depressão, traumas passados, questões orgânicas, etc. Independente de qual seja a causa das dificuldades sexuais, é indispensável buscar ajuda para solucionar o problema. O psiquiatra pode ser um grande aliado nessa tarefa! Confira a seguir quando esse profissional deve ser procurado.

Quando a insatisfação sexual for persistente

É natural que vez ou outra a pessoa não se sinta realizada na cama. O sexo depois de um dia estressante no trabalho, uma dificuldade pontual de ereção ou um episódio isolado de ejaculação precoce não é motivo para se preocupar. Entretanto, se o problema é duradouro, ligue o sinal de alerta e procure saber o que está acontecendo. Em alguns casos, o tratamento deverá ser multidisciplinar, com a participação do psiquiatra, urologista, ginecologista, fisioterapeuta, etc.

Quando bloqueios emocionais impedirem que a vida sexual seja plena

Se tabus e bloqueios emocionais ou culturais atrapalham a plenitude no sexo, é recomendável procurar o psiquiatra o quanto antes. Ao contrário do que muitos pensam, a sexualidade não é só uma questão de corpo. Envolve a mente também! Em boa parte dos casos, a insatisfação sexual tem íntima relação com problemas como traumas do passado e limitações mentais, como baixa autoestima, depressão, baixa autoconfiança e insegurança com a própria imagem.

Quando quiser aprender a lidar com a vida sexual

Procure o psiquiatra para desabafar e aprender a lidar com a própria sexualidade da forma mais natural possível. Esse profissional o receberá com discrição e sem julgamentos, pois está preparado para ouvir e tratar queixas como timidez, medo e constrangimento durante o sexo. Além disso, o psiquiatra convive diariamente com reclamações em relação à monotonia sexual, pouca frequência, ausência de preliminares, baixa libido, falta de sintonia, etc.

Quando precisar tratar um transtorno sexual específico

A vida sexual pode estar insatisfatória porque um dos parceiros ou ambos possuem algum transtorno relacionado ao sexo. As disfunções sexuais são caracterizadas por mudanças psicofisiológicas que atrapalham o desempenho e a satisfação no sexo. São perturbações capazes de gerar dificuldades no relacionamento, além de sofrimento acentuado. Os principais transtornos incluem a aversão sexual, o desejo sexual hipoativo, a dispareunia, o transtorno orgásmico, a ejaculação precoce, o sadismo, o vaginismo, o exibicionismo, o fetichismo, o masoquismo e  a disfunção erétil Quer saber mais sobre satisfação sexual? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em São Paulo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp